Gustavo Miranda
Poesias em prosa.
Capa Textos Áudios Perfil Livro de Visitas Contato
Textos
A DONA DO DISCURSO...
Ontem, perguntaram-se se eu te amava,
Era uma ex-namorada, muito atraente,
Uma mulher com "M", empoderada,
Disse-lhe, sob minha tristeza, que te amava com a razão...

Ah amada minha!
Quanta fragilidade amar-te causa-me...
Amo-te tanto que tento negar a mim mesmo este amor,
Quantas tentativas em vão!

Minha luz, olho-te e vejo-me...
Isso amada minha, é perturbador!
Pois como argumentar com alguém dono(a) do discurso?
Ainda mais tendo meu Vênus em touro assim como tu!

Ah vida minha que o mar carrega!
E se eu falar em meu Mercúrio em Peixes?
Dá-me a intelectualidade e racionalidade burra...
De querer "discutir" com você ao invés de... comer você!

Eu te amo.
Simples assim Dona do Discurso!
E eu sei que, tu me amas...
Denegas, mas ama...

Sinto o teu cheiro de longe,
Pois conheço o teu cheiro como um cão o de seu dono,
Exatamente pelas mesmas razões!
Eu conheço o teu cheiro!

Minha flor do Lácio...
Laça-me e aprisiona-me em tua cama...
E venda meus olhos...
E beija-me a boca mordendo até que sangre...

Eu te amo.
Para que negar, Para ser um "denegador"?
Eu te amo, palavras...
Simplesmente por que te... Amo!
Gustavo Miranda
Enviado por Gustavo Miranda em 24/07/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários
Capa Textos Áudios Perfil Livro de Visitas Contato